ACOMPANHE AQUI! Mostra Sesc Amazônia das Artes 2019

porSesc

ACOMPANHE AQUI! Mostra Sesc Amazônia das Artes 2019

Galeria de fotos

Considerando o aspecto geopolítico, a semelhança sócio econômica dos estados da Amazônia legal e a dificuldade que os artistas dessa região têm em circular sua produção, o Projeto Sesc Amazônia das Artes desde sua primeira edição, se preocupou em fomentar o fazer cultural, por meio da circulação regional das linguagens artísticas. Em 2008, O Teatro, a Dança, a Música, a Arte plástica e Circo tiveram representantes de todos os estados no projeto. Atualmente todas as linguagens das artes estão inseridas no circuito, o qual classifica o SESC Amazônia das artes como um dos mais importantes e potentes projetos de difusão das artes da Amazônia.
A linguagem circense por sua vez, foi representada desde o início do projeto pelo espetáculo A MENINA E O PALHAÇO dos artistas acreanos Dinho Gonçalves e Marilia Bomfim. Onze anos depois, é a vez do espetáculo BOXE COM PALHAÇADA do grupo Compalhaçada do Amazonas que tem no elenco Ariane Feitoza (Cafuxa), Jean Linhares (Meio Fino) e Idelson Mouta (Debiloide) que tem em comum em suas carreiras a participação no projeto Trupe da Alegria que realizavam Contações de estórias em espaços públicos da cidade de Manaus.
Após o convite para participar de um festival de cenas curtas que aconteceria no teatro amazonas, a trupe decidiu montar o espetáculo circense, BOXE COM PALHAÇADA que lhes rendeu o primeiro lugar no evento e logo em seguida o reconhecimento por meio de prêmios diversos. 
Como explicito no título, BOXE COM PALHAÇADA é um espetáculo cujo enredo se constitui no conjunto encadeado de números cômicos circenses, em um pano de fundo que desenha uma disputa entre os dois palhaços, Meio Fino e Debiloide, pelo amor da palhaça Cafuxa. 
O que presenciamos são movimentos, peripécias e traquinagens que levam o público ao riso certo. Tudo é iniciado com a apresentação dos palhaços ao público, como é de praxe na arte da palhaçaria. Logo depois é estabelecido o “problema” e, fundamentalmente, a cumplicidade com o espectador que se torna parte do espetáculo, uma hora sendo galanteado pelos palhaços, hora servindo de torcida organizada durante a luta de boxe e principalmente como composição real de um ringue, pois, sempre são escolhidos quatro homens que seguram as cordas no picadeiro servindo também de gongo, para quando a luta ficar “intensa”. 
O espetáculo tem uma esfera tradicional, os personagens de tão genuínos, precisam apenas entrar em cena, para despertar o riso da plateia. 
O enredo não é novo nem complexo, as gags (piadas clássicas de palhaço) são simples e funcionais. A ideia de se montar um ringue para o desdobramento da estória vem da inspiração do grupo em outros espetáculos de palhaços. Essa mesma ideia que foi apresentada no espetáculo Boxe Entrée (1961) do palhaço Rudi Llata que até hoje vem sendo refeita de diversas formas.
Por fim, após o espetáculo tivemos a oportunidade de bater um papo com o grupo, expondo todo o processo de montagem, suas experiências como artista de circo enfatizando que mesmo com um espetáculo que agrada a todos, infelizmente encontram dificuldades em se manter exclusivamente da arte do circo tendo que recorrer a outras profissões que lhe garantam a sobrevivência. 
Com isso, é despertado na plateia uma outra visão sob tudo que foi apresentado. Após alguns minutos de conversa com o elenco é entendido que a luta que esses palhaços enfrentam não é apenas pelo amor da palhaça Cafuxa e sim, pela resistência de continuar viva a arte do circo tradicional.

Texto: Fabiano Barros (Dramaturgo)
Fotos: Raissa Dourado

Sobre o Autor

Sesc administrator