Arquivo de tag cultura

Sesc Rondônia recebe doação de material sobre educação financeira para crianças

Através de parceria com o Instituto Sicoob, o acervo será levado às escolas e comunidades do Estado de Rondônia

Na quarta-feira, dia 12 de agosto, o Serviço Social do Comércio – Sesc recebeu a doação dos livros que fazem parte da 3ª edição da coleção “Financinhas”, material lúdico desenvolvido pelo Instituto Sicoob com intuito de levar educação financeira para o público infantil. Visando a promoção do desenvolvimento sustentável das comunidades, o Instituto Sicoob em conjunto com Sesc Rondônia enxergou a necessidade de viabilizar o acesso a esse acervo para as escolas de ensino público, Sesc Escola e, através do caminhão do BiblioSesc, também para a comunidade em geral – especialmente àquelas onde não há a presença de bibliotecas.

Para a técnica responsável pelo Bibliosesc – biblioteca itinerante da instituição -, Lidiane Garcia, parcerias como a do Instituto Sicoob somam nas ações que o Sesc promove para encurtar as distâncias entre o leitor e os livros no Estado de Rondônia. Segundo a bibliotecária, os livros da coleção Financinhas – “Caio achou uma moedinha”; “Miguel, Aninha e Dedé ganharam dinheirinho”; e “Margô e Davi foram no mercadinho” – serão levados ao público infantil através de empréstimos do material, como também por meio da contação de histórias.

“O Instituto Sicoob reconhece o trabalho desenvolvido pelo Sesc e entende que essa parceria é de grande importância para o aprendizado das crianças sobre o tema. Se mais pessoas tivessem acesso a esse conteúdo, provavelmente não teríamos hoje 60% da população com o nome restrito. É muito importante que essa cultura seja expandida”, comenta o profissional de desenvolvimento estratégico do Instituto Sicoob, Raimundo Júnior.

A parceria entre o sistema Fecomércio RO/Sesc/Senac e o Instituto Sicoob é pautada ainda na política cultural do Sesc, que orienta e reconhece a importância em firmar parcerias com artistas locais, instituições públicas e privadas na oferta de espaços, programação, suporte técnico e equipe especializada para a realização de projetos culturais. “O acervo adquirido é de grande relevância e necessário, uma vez que muitas crianças nunca tiveram contato com essa temática, e ainda apresentada de uma forma lúdica, através da contação de história”, comentou a coordenadora de cultura do Sesc Rondônia, Maria Braga.

O Sesc e o Instituto Sicoob visam ainda ampliar a abrangência da coleção “Financinhas” nos 52 municípios rondonienses através do projeto “Sesc 52”, uma ação itinerante prevista para acontecer em 2022 que apresentará ao público de todo o estado ações de Biblioteca – através do BiblioSesc -, artes cênicas, música, literatura, artes visuais e audiovisual.

Sobre o BiblioSesc

O BiblioSesc é uma biblioteca volante do sistema Fecomércio RO/Sesc/Senac que leva clássicos da literatura, aventuras, ficções e histórias reais às mãos dos leitores de todas as idades através da sua atuação em escolas de ensino público e em comunidades que não possuem acesso a acervos literários.

Banco de propostas culturais

O Sesc Rondônia por meio da Coordenação de Cultura, orientado pela Política Cultural – Sesc Departamento Nacional, convoca toda a comunidade artística e produtores culturais de Rondônia, com atuação nas linguagens: artes cênicas (circo, teatro e dança), arte educação, artes visuais, audiovisual, literatura, música e patrimônio cultural para credenciar-se no BANCO DE PROPOSTAS CULTURAIS da Coordenação de Cultura, através da inscrição de propostas de programação cultural, por meio de apresentações e ações formativas visando o desenvolvimento artístico-cultural para compor o Banco de Propostas Culturais/Sesc–RO em 2021, podendo estender-se à 2022. O chamamento visa o recebimento de propostas que possam ser realizadas em ambiente virtual e/ou presencial, sem prejuízo de sua execução.

O Sesc atua em todo o Brasil e desenvolve projetos que fortalecem a produção cultural de diferentes regiões. Dessa forma, oferece programações pautadas na diversidade de gêneros e estilos. Em suas representações regionais, o Sesc busca conhecer as produções locais, incentivando-as por intermédio da contratação de artistas para suas programações.

A seleção de propostas dar-se-á por intermédio do chamado público para O BANCO DE PROPOSTAS CULTURAIS que possibilita o acesso democrático à pauta do Sesc/RO, difundindo espetáculos, shows e obras artísticas, valorizando e estimulando a produção e a pesquisa de grupos e artistas da atual cena rondoniense, e auxiliando nas formas de mediação entre a Cultura e a Sociedade.

O chamado público da instituição se caracteriza como um canal de acesso a trabalhos culturais e ao mapeamento dos artistas rondonienses por meio de curadoria autônoma e independente, composta pelo corpo técnico especializado das áreas artísticas da coordenação de cultura.

PARA PARTICIPAR, O INTERESSADO DEVE BAIXAR A FICHA DE SUA RESPECTIVA LINGUAGEM OU A FICHA DE AÇÕES FORMATIVAS, PREENCHER E ENVIAR NO E-MAIL CULTURA@SESCRO.COM.BR, COM O ASSUNTO: “CREDENCIAMENTO PARA O BANCO DE PROPOSTAS CULTURAIS – LINGUAGEM … (NOME DA LINGUAGEM) ”, no formato PDF, até o dia 14 de março de 2021.

Mais informações no (69)3229-6006 ramais 238 e 239 na Coordenação de Cultura ou no e-mail cultura@sescro.com.br

Edital e Anexos: Clique aqui

Mostra Sesc de Cinema

A Mostra Sesc de Cinema tem como objetivo promover a difusão do circuito cinematográfico brasileiro, sendo uma iniciativa de valorização da produção audiovisual no país. Lançada em 2017, conta com representantes de todas as regiões, procurando ampliar o acesso da população a uma filmografia que expresse a diversidade da produção contemporânea.

Na edição de 2019 foram inscritos 1200 filmes, entre curtas, medias e longas-metragens, provenientes de 210 cidades. Deste universo foram selecionadas 42 produções, sendo 10 infanto-juvenis, que compõem o Panorama Brasil. A III Mostra Sesc de Cinema será exibida em todo país até 15 de dezembro de 2019.

Em Rondônia a III Mostra Sesc de Cinema será realizada entre os dias 02 a 07 de dezembro de 2019, no Audicine da unidade do Sesc, Porto Velho – RO. Serão 5 dias de evento, 42 filmes exibidos, quase 25horas de filme, debate com realizadores, 5 sessões com debate, 1 workshop de produção audiovisual, lançamento de livro e 2 apresentações de cinema e música, inteiramente gratuita para população.

O Serviço Social do Comércio é um dos maiores fomentadores da cultura no Brasil. Afirmando sua responsabilidade institucional orientada por sua Política Cultural, no percurso da construção reflexiva, crítica e criativa da promoção à diversidade das manifestações artísticas e culturais em todo estado. Democratizando e oportunizando acessibilidade aos bens culturais. Atribuindo ao Sesc um papel fundamental no cenário nacional, como referência para as políticas culturais no país.

Programação:

DIA 02 DE DEZEMBRO
ABERTURA 19h (AUDICINE)
VOZES DA MEMÓRIA (RO)

DIA 03 DE DEZEMBRO
09h (AUDICINE) > SESSÃO SESC ESCOLA
FILMES:
Vivi lobo e o quadro mágico (PR)
Icamiabas (PA) Livre 45min
Hornzz (RJ)
Lily’s hair (GO)

15h30 (AUDICINE)
FILMES:
Quando as coisas se desmancham (PR)
Isso me faz pensar (RS) Livre 46min
Do outro lado (SP) 12anos 15min
Cravo, lírio e rosa (RJ) 14anos 20min

18h (AUDICINE)
FILMES
Da curva pra cá (ES)
Jéssika (RJ) 12anos 68min
Plano controle (MG)
O céu dos índios (AM)
Francisco (AC) 12anos 60min
Chamando os ventos (PA)
Parda (RJ)
Catadora de gente (RS) 12anos 19min

DIA 04 DE DEZEMBRO
14h30 (AUDICINE) > SESSÃO SESC ESCOLA
FILMES:
Clandestino (SE) Livre 58min
O malabarista (GO)
A câmera de João (GO)

16h (AUDICINE)
FILMES:
Abrindo as janelas do tempo (SC)
Almofada de penas (SC) 12anos 75min
Guará (GO) 12anos 21min

18h (AUDICINE)
FILMES
A praga do cinema brasileiro (DF)
Majur (MT) 12anos 80min
Entre parentes (DF)

SESSÃO DEBATE
Orin: música para os orixás (BA) Livre 92min
Quilombo mata cavalo (MT) Livre 15min

DIA 05 DE DEZEMBRO
15h (AUDICINE)
FILMES:
Navios de terra (MG) 12anos 70min
Fabiana (SP) 12anos 80min

18h (AUDICINE)
FILMES
A besta pop (PA) 16anos 90min
No rio das borboletas (AM)

SESSÃO DEBATE
Euller Miller entre dois mundos (PR) Livre 70min

DIA 06 DE DEZEMBRO
FEIRA CASA 378 (Durante a programação)

15h (AUDICINE)
FILMES
Poética de barro (MG) 120min
Estrangeiro (PB) 14anos

18h (AUDICINE)
FILMES
Tipoia (AL)
Aqueles dois (CE) 12anos 65min
Aurora (SE)
Rasga mortalha (PE)

SESSÃO DEBATE
Mateus (PE) Livre 89min

DIA 07 DE DEZEMBRO
15h (AUDICINE)
FILMES
Vivi lobo e o quadro mágico (PR)
Icamiabas (PA) Livre 45min
Hornzz (RJ)
Lily’s hair (GO)
Clandestino (SE)
O malabarista (GO) Livre 58min
A câmera de João (GO)

18h (AUDICINE)
FILMES
Parque oeste (GO) 12anos 85min

SESSÃO DEBATE
Ilha (BA) 14anos 92min

———————————————————————————————————–
Texto: Betânia Avelar

Acompanhe nossas programações:
Fan page: https://www.facebook.com/sescrondonia/
Instagram: @sesc_ro
Telefone: (69) 3229-6006 ramais: 238/239

mostrasescdecinema #sesc #sescro #euvalorizo #vemprosesc

Exposição Temporalidades

Exposição TEMPORALIDADES, por Flavio Dutka

Temporalidades apresenta a recente criação do Artista Visual Flávio Dutka, obras produzidas de fevereiro a setembro de 2019. Trajetória de memórias, uma relação entre o real/ imaginário, paisagens que podem ou não existir, como fragmentos do tempo em que o artista passou observando o espaço no entorno do Rio Madeira, área ribeirinha da cidade de Porto Velho, Rondônia, onde atua ao longo de 20 anos como professor de história e artes.

Dutka através de suas pinturas apresenta uma natureza amazônica para além do formato tradicional, cria uma poesia entre a relação do caboclo, da índia e o varadouro que o artista conhece e identifica.

Destaca se também na mostra, além da imagem e sua poesia, a técnica de pintura utilizada pelo artista em seus trabalhos mais atuais, com o uso do spray, principal suporte da produção do grafite, em muros dos grandes centros urbanos ou paredes de prédios, e podemos encontrar nas telas do pintor criando ainda esse diálogo com a arte contemporânea e o amadurecimento de suas técnicas ao longo de sua carreira artística.

Artista Visual: Flávio Dutka.
Curadoria: Dutka, Maria Braga Lopes e Betânia Avelar.
Montagem: Vitória Morão, Tanison Passos, Felipe Bandeira e Betânia Avelar.
Texto: Betânia Avelar, Maria Braga e Vitória Morão.
Monitoria: Tanison Passos.

Abertura dia 22 de Outubro as 16h na Galeria do Sesc Centro

A exposição fica até dia 29 de Novembro.
Horários de visita de segunda a sexta das 09h às 11h de 12h às 16h e aos sábados das 10h às 13h

Arte da Palavra 16 de outubro

Circuito de Oralidades com Giuliano Tierno. Contador de Histórias, doutor e mestre em Artes pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). É sócio – fundador d’a A casa Tombada – Lugar de Arte, Cultura, Educação, na cidade de São Paulo. Em 2017, publicou o livro Narra-te Cidade (2017)

Local: Universidade Federal de Rondônia – Campus
Data: 16 de outubro
Horário: 09h Classificação: Livre
Ingresso: Gratuito

Sesc Partituras

Nesta edição do Sesc Partituras faremos uma homenagem ao jovem compositor maranhense Willame Belfort, o compositor estará conosco nos dias 04 e 05 de outubro para realizar uma oficina de composição e prestigiar os concertos.

Nesta edição como estratégia de aproximar a música de camara ao público jovem em parceria com Instituto federal de Rondônia faremos no Auditório do IFRO Campus Calama um concerto no dia 04 às 16h, ainda faremos mais uum concerto no dia 05 às 20h no teatro do Sesc Esplanada.

Link para as inscrições:
https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSeLg1W43YHqI4-Annx24AlUIX4vBBRNvCWWm351MLmuxDibYQ/viewform

Programação:

Oficina: A Arte da composição; princípios e manuseio artesanal.
dia 05 das 08h as 12h e das 14h as 18h,
No teatro 1 do Sesc Esplanada.
Faixa Etária: 16 anos.
Local: Av. Presidente Dutra, 4175 – Olaria

Concerto Sesc Partituras dia 04 das 16h às 17h, No Auditório do Instituto Federal Campus Calma.
Faixa Etária: Livre.
Local: Av. Calama, 4985 – Flodoaldo Pontes Pinto

Concerto Sesc Partituras dia 05 das 20h às 21h, No Teatro 1 do Sesc Esplanada.
Faixa Etária: Livre.
Local: Av. Presidente Dutra, 4175 – Olaria

O Silêncio dos Homens

Porto Velho participará da estreia nacional simultânea do Documentário
Olaria.
O filme apresenta resultados de uma pesquisa que ouviu mais de 40.000 pessoas sobre o que é ser homem no Brasil.
O filme é uma profunda investigação sobre as dores, obstáculos, valores, qualidades e processos de mudança dos homens.

Depois do filme, haverá uma roda de conversa com:
Gilberto Leite Campelo, Defensor Público do Estado de Rondônia;
Karin Kansog, Facilitadora de conversas;
Euza Beloti, Psicóloga.

“O Silêncio dos Homens”
Data: 29/08 Horário: 19h30
Entrada Gratuito
Local: AUDICINE do Sesc Esplanada
Av. Presidente Dutra, 4175

Esperamos você!

Mais informações, entre em contato com:
CODEC/SESC: (069) 3229-6006 ramal 239
Espaço Reviver: (069) 9 8492-8570

ACOMPANHE AQUI! Mostra Sesc Amazônia das Artes 2019

Galeria de fotos

Considerando o aspecto geopolítico, a semelhança sócio econômica dos estados da Amazônia legal e a dificuldade que os artistas dessa região têm em circular sua produção, o Projeto Sesc Amazônia das Artes desde sua primeira edição, se preocupou em fomentar o fazer cultural, por meio da circulação regional das linguagens artísticas. Em 2008, O Teatro, a Dança, a Música, a Arte plástica e Circo tiveram representantes de todos os estados no projeto. Atualmente todas as linguagens das artes estão inseridas no circuito, o qual classifica o SESC Amazônia das artes como um dos mais importantes e potentes projetos de difusão das artes da Amazônia.
A linguagem circense por sua vez, foi representada desde o início do projeto pelo espetáculo A MENINA E O PALHAÇO dos artistas acreanos Dinho Gonçalves e Marilia Bomfim. Onze anos depois, é a vez do espetáculo BOXE COM PALHAÇADA do grupo Compalhaçada do Amazonas que tem no elenco Ariane Feitoza (Cafuxa), Jean Linhares (Meio Fino) e Idelson Mouta (Debiloide) que tem em comum em suas carreiras a participação no projeto Trupe da Alegria que realizavam Contações de estórias em espaços públicos da cidade de Manaus.
Após o convite para participar de um festival de cenas curtas que aconteceria no teatro amazonas, a trupe decidiu montar o espetáculo circense, BOXE COM PALHAÇADA que lhes rendeu o primeiro lugar no evento e logo em seguida o reconhecimento por meio de prêmios diversos. 
Como explicito no título, BOXE COM PALHAÇADA é um espetáculo cujo enredo se constitui no conjunto encadeado de números cômicos circenses, em um pano de fundo que desenha uma disputa entre os dois palhaços, Meio Fino e Debiloide, pelo amor da palhaça Cafuxa. 
O que presenciamos são movimentos, peripécias e traquinagens que levam o público ao riso certo. Tudo é iniciado com a apresentação dos palhaços ao público, como é de praxe na arte da palhaçaria. Logo depois é estabelecido o “problema” e, fundamentalmente, a cumplicidade com o espectador que se torna parte do espetáculo, uma hora sendo galanteado pelos palhaços, hora servindo de torcida organizada durante a luta de boxe e principalmente como composição real de um ringue, pois, sempre são escolhidos quatro homens que seguram as cordas no picadeiro servindo também de gongo, para quando a luta ficar “intensa”. 
O espetáculo tem uma esfera tradicional, os personagens de tão genuínos, precisam apenas entrar em cena, para despertar o riso da plateia. 
O enredo não é novo nem complexo, as gags (piadas clássicas de palhaço) são simples e funcionais. A ideia de se montar um ringue para o desdobramento da estória vem da inspiração do grupo em outros espetáculos de palhaços. Essa mesma ideia que foi apresentada no espetáculo Boxe Entrée (1961) do palhaço Rudi Llata que até hoje vem sendo refeita de diversas formas.
Por fim, após o espetáculo tivemos a oportunidade de bater um papo com o grupo, expondo todo o processo de montagem, suas experiências como artista de circo enfatizando que mesmo com um espetáculo que agrada a todos, infelizmente encontram dificuldades em se manter exclusivamente da arte do circo tendo que recorrer a outras profissões que lhe garantam a sobrevivência. 
Com isso, é despertado na plateia uma outra visão sob tudo que foi apresentado. Após alguns minutos de conversa com o elenco é entendido que a luta que esses palhaços enfrentam não é apenas pelo amor da palhaça Cafuxa e sim, pela resistência de continuar viva a arte do circo tradicional.

Texto: Fabiano Barros (Dramaturgo)
Fotos: Raissa Dourado

Abertura do Sesc Amazônia das Artes 2019

No último sábado dia 04 de maio, o Sesc Rondônia iniciou na cidade de Ji-Paraná, um dos maiores e mais potentes projetos de fomento direcionado à cultura da região amazônica, o “Sesc Amazônia das Artes” que consiste na circulação de espetáculos de dança, música, teatro, circo, exposições de artes plásticas, mostras de cinema, ações de literatura e atividades formativas. Em seus doze anos de existência, o projeto possibilitou que centenas de artistas amazônicos, escoassem suas obras nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Maranhão, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins, que compõem a Amazônia legal. E o Piauí, estado convidado por se aproximar da realidade dos outros nove.

Na noite do lançamento, na unidade do Sesc Clementina, o projeto apresentou o espetáculo musical “Minha Ancestralidade” com a cantora Nega Lu e a banda constituída por Wilson Barbosa de Oliveira, Lucas Mello de Oliveira, Weslley Henrique Ribeiro Dourado, Leandro Rodrigues Ladeia, Lênin Pillar Corrêa e José Carlos Lagos da Silva.

Nascida em Rondonópolis no Mato Grosso, Nega Lu iniciou sua carreira musical na igreja. Após ter uma longa experiência como contrabaixista nas noites de sua cidade, a cantora participou de diversos programas e concursos locais e nacionais, sendo a primeira colocada no quadro NOVOS TALENTOS e BEM MATOGROSSO. Desde então, Nega Lu faz apresentações com o grupo intitulado “Banda da Nega” levando um repertório eclético por todo Estado mato-grossense.

Poucas vezes os ouvidos do Brasil deram a devida atenção às vozes negras de suas mulheres, que há décadas, vem soando tão majestosamente negra, na representação de grandes cantoras como, Joaquina Lapinha, Jovelina Pérola Negra, Clementina de Jesus, Elza Soares, Dona Ivone Lara, Zezé Motta, Alcione, Lia de Itamaracá, Sandra de Sá e tantas outras que são referências e motivação para outras vozes negras da contemporaneidade.

Minha ancestralidade, espetáculo apresentado pela mato-grossense Nega Lu, traz em seu primeiro momento uma representação de sua memória, que de forma poética e branda desperta a atenção do público para assuntos históricos relacionados a realidade do negro no Brasil. Entrelaçadas a uma partitura afro, as letras de sua autoria prende a atenção de todos numa narrativa que expõe e nos convida a refletir assuntos muitas vezes deixado pra depois. “O que fazer se existe alguém do lado precisando de você?” e “Eu tenho orgulho da minha raça e da minha cultura”, são duas das muitas frases do espetáculo que igual ao som de um eco longo, fica ecoando em nossas mentes. Afinal essa é a proposta da artista que ao criar, Minha Ancestralidade, buscou “revisar, interrogar e reexaminar os eventos históricos” dessa ancestralidade que não é algo particular de Nega Lu e sim de todos que se fizeram presentes, independentemente da cor da sua pele. Na segunda parte, fomos presenteados por músicas que falavam de amor, assim nos possibilitando vislumbrar da extensão e multifaces do trabalho de Nega Lu, que encantou o público de Ji-Paraná que a anos adotou o projeto Sesc Amazônia das artes, permitindo assim, contemplar espetáculos tão significativos, que despertam o senso crítico, para uma reflexão do si e da realidade que os permeiam.

Texto: Fabiano Barros – Dramaturgo

Fotos: Raissa Dourado

X